Como Reggio Emilia, na Itália, virou referência em educação infantil.

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945, a população italiana precisou se unir para reerguer cidades devastadas. Em Reggio Emilia, localizada a 70 quilômetros de Bolonha, no Norte da Itália, famílias que haviam perdido tudo juntaram o dinheiro da venda de seis cavalos, três caminhões e um tanque de guerra abandonado pelos alemães para construir uma escola – inclusive com os tijolos das casas bombardeadas.

Mas não era uma escola tradicional. A ideia era uma escola que pudesse ter um projeto de futuro bastante diferente do que aquele presente. A visão transmissiva que havia na educação daquele tempo (e ainda há) era contraposta por uma visão participativa – ou seja, em que adultos e crianças coparticipam da construção do conhecimento.

Praça em Reggio Emilia. Crédito: Nicola/Flickr

Praça em Reggio Emilia, Itália. Crédito: Nicola/Flickr.

Duas décadas depois, em 1963, a luta que começou com um grupo de pessoas, liderado por mulheres especialmente, na construção de escola infantis, passou a ser uma luta pela municipalização destas escolas. A partir disso, o atendimento começou a ser ampliado. Iniciou-se o grande projeto de construir escolas públicas, laicas e de qualidade.

É contemporâneo a esse projeto político e social que nasce a abordagem pedagógica na cidade de Reggio Emilia – ganhando admiradores, pesquisadores e interessados de todas as partes do mundo.

Atualmente, segundo a prefeitura de Reggio Emilia, mais de 5 mil educadores de todo mundo visitam a cidade para se aprofundarem sobre a abordagem – que acabou ganhando o nome de cidade.

Por trás do sucesso de Reggio Emilia está o professor Loris Malaguzzi, que visitou a escola em 1946 – e nunca mais foi embora. Ali nasceu o encontro de um pedagogo visionário e uma comunidade que deseja “uma escola melhor e diferente para os seus filhos”, como dizia a placa fixada na primeira escola.

Em entrevista à revista Newsweek, em 1991, Malaguzzi afirmou:

Uma escola precisa ser um lugar para todas as crianças. Não com base na ideia de que são todas iguais, mas de que são todas diferentes.

Loris Magaluzzi ficou à frente do Sistema de Reggio Emilia de Educação Municipal para a Primeira Infância até 1985, quando se aposentou – mas ainda seguiu colaborando e trabalhando com as escolas. Ele morreu nove anos depois, aos 74, decorrência de um infarto. Se estivesse vivo, completaria 100 anos no dia 23 de fevereiro de 2020.

Leia maisLoris Malaguzzi: 100 anos do criador da abordagem Reggio Emilia

Os fundamentos de Reggio Emilia

Para saber mais sobre os fundamentos de Reggio Emilia, conversamos com o professor Paulo Fochi – doutor em educação pela USP, onde escreveu tese sistematizando o pensamento de Loris Malaguzzi, e autor de Afinal, o que os Bebês Fazem no Berçário?

Professor Paulo Fochi.

Ele afirma que, como outras abordagens participativas – Pikler Waldorf, por exemplo –, Reggio Emilia tem atributos e elementos que a caracterizam. Um deles é a metáfora das cem linguagens das crianças.

De acordo com o livro homônimo As Cem Linguagens da Criança – Volume 2: a Experiência de Reggio Emilia em Transformação, crianças pequenas podem ser encorajadas a explorar seu ambiente e se expressar “por meio de múltiplos caminhos e de todas as suas ‘linguagens’”. Entre as elas: expressiva, comunicativa, simbólica, cognitiva, ética, metafórica, lógica, imaginativa e relacional”.

Malaguzzi construiu seu pensamento pedagógico a partir de muitas metáforas, e esta, a de que a criança é feita de cem linguagens, é um convite para a escola pensar a complexidade em que se dá a construção do conhecimento. Segundo ele, a “escola rouba 99” dessas linguagens, e prioriza a palavra.

“Foi por isso que Malaguzzi criou a figura do atelierista, para que ele pudesse problematizar as diversas linguagens que o seu humano se vale para se relacionar com o mundo”, diz Paulo Fochi.

Saiba mais (livro)O papel do ateliê na educação infantil: a inspiração de Reggio Emilia 

Falando em atelierista, é importante destacar também sobre a cultura do ateliê, um conceito que evoluiu do ateliê físico para uma abordagem de trabalho que marca a experiência de Reggio Emilia. Com a chegada do atelierista para trabalhar nas escolas, criou-se o ateliê como um espaço para que as cem linguagens das crianças pudessem estar em relação.

Com o passar do tempo, essa experiência que antes estava restrita ao espaço do ateliê, ganha uma compreensão ampliada e passar a ser pensado na cultura do ateliê como modo de organizar e pensar as propostas de investigação para as crianças.

Crianças e suas descobertas. Crédito: NAREA.

Outro aspecto central na abordagem de Reggio Emilia é a imagem de criança. “O que Malaguzzi sempre falou é a respeito da “imagem de criança” que temos. Com isso, ele convidava a pensar que a partir dessa imagem de criança, nos relacionamos com elas e, por isso, é preciso sempre problematizar”, diz Fochi.

pedagogia da escuta é outra metáfora malaguzziana. Para o pedagogo italiano, Malaguzzi, escutar é um modo ativo do adulto aprender a acolher o mundo das crianças e oferecer as condições para que ela possa crescer e aprender.

Nesse sentido, os educadores interagem de forma participativa, assumindo a consciência de que a escola é um lugar para se fazer perguntas – em vez de valorizar apenas verdades e certezas. As qualidades especiais de cada criança também são reconhecidas e nutridas pelos professores.

Alunos de escola em Reggio Emilia. Crédito: Cumone Reggio di Reggio Nell Emilia.

Além deles e dos pais, a escola reggiana conta com outro importante elemento de aprendizagem: o espaço como um outro educador. O ambiente é desenhado e planejado para incentivar a interação entre as pessoas.

Isso significa que a luz natural que advém da janela pode se tornar um forte componente no currículo. Para Malaguzzi, o ambiente se torna um terceiro educador – já que em Reggio Emilia são sempre dois educadores por agrupamento, chamado dupla pedagógica.

Mais: na abordagem de Reggio Emilia, os materiais são muito valorizados. Nas escolas municipais de Reggio Emilia, encontramos diversos materiais que não são aqueles convencionais de papelaria. A razão disso é que nas materialidades podemos encontrar diversas possibilidades das crianças agirem e construírem suas teorias e conhecimentos.

Leia maisLivro explica o papel do ateliê na educação infantil

Os educadores também são incentivados a manter um registro contínuo das atividades das crianças usando fotos, vídeos ou gravações. Essa forma de construir memória e vestígios do trabalho que é desenvolvido acaba por se fundir no modo como os professores planejam, refletem, avaliam e narras as aprendizagens das crianças.

A isso, chama-se de documentação pedagógica. Trata-se de uma estratégia pedagógica fundamental da experiência das escolas de Reggio Emilia, pois permite que o professor construa um percurso de reflexão sobre a criança e que ela própria acompanhe o processo de aprendizagem ao revisitar desenhos, pinturas, esculturas e colagens.

A gestão da abordagem

Outras características importantes das escolas de Reggio Emilia incluem “o uso de pequenos grupos em projetos de aprendizagem, a continuidade entre professor-criança (como dito, dois professores trabalham com a mesma turma por três anos) e o método de gestão com base na relação com a comunidade”, descreve o livro As Cem Linguagens da Criança – Volume 2 .

Desenho da parte central (mais antiga) de Reggio Emilia. Crédito: Reprodução.

Em outras palavras, há uma forte combinação de conceitos de serviços sociais e educação.

“Crianças de todas as origens socioeconômicas e educacionais frequentam o local, sendo que crianças com deficiências recebem prioridade e plena integração, de acordo com a lei italiana. Mais de 14% da verba da cidade destina-se a esse sistema de educação infantil, que, no momento, inclui mais de 30 creches infantis e pré-escolas municipais, além de muitas outras pré-escolas e serviços conveniados para crianças de até seis anos.”

A cidade de Reggio Emilia tem, atualmente, cerca de 170 mil habitantes. Desde outubro de 2003, o Sistema municipal de Educação para a Primeira Infância – que por anos ficou sob direção de Loris Magaluzzi – é administrado por um órgão específico chamado Scuole e Nidi d”Infanzia Istituzione del Comune di Reggio Emilia, que é equivalente às secretarias de educação.

A entidade tem autonomia em questões educacionais, pedagógicas e administrativas. Os objetivos da instituição incluem organizar, gerenciar e aumentar as atividades necessárias para o funcionamento e a qualificação de centros e pré-escolas de bebês e crianças pequenas de Reggio Emilia.

Isso inclui garantir a combinação dos princípios mencionados ao longo desta reportagem, como protagonismo infantil, pedagogia da escuta, pensamento crítico, arte e documentação pedagógica. Afinal, foi isso que transformou a cidade italiana, antes conhecida pela qualidade do vinho e do presunto, em referência internacional em educação infantil.

Leia maisO que a educação brasileira pode aprender com Reggio Emilia

Fonte: https://desafiosdaeducacao.grupoa.com.br/reggio-emilia-educacao-infantil/

24 de junho de 2020
Como Reggio Emilia, na Itália, virou referência em educação infantil.